HITORIA DA HONDA VT600 SHADOW

18/12/2012 22:36

 

A Honda desde o início produz motocicletas apaixonantes e com grande apelo ao mototurismo, mesmo as motos de baixa cilindrada são utilizadas em todo o mundo para ir e vir por estradas da liberdade.

Em todas as viagens que fiz sempre fui surpreendido por motos Honda de variadas cilindradas e anos, CB 400, 750F, 125, Burrão, 150, XL 250, Tornado, enfim não seria possível traduzir aqui a infinidade de modelos e anos, o que fica na lembrança é que desde adolescente sempre sonhei com motos maiores do que as que tinha, até realizar o sonho de possuir uma estradeira.

É o sonho cantado pelos Paralamas do Sucesso  em Vital e sua Moto... ou Steppenwolf com sua Born to be wild. Moto, rock ..

Quando adolescente ouvia os Paralamas do Sucesso cantando a música “Vital e Sua Moto”, a idéia de liberdade, de curtir a vida, de ir e vir sem depender de ninguém. A idéia deste site surgiu justamente como uma forma de homenagear a moto dos meus sonhos, a Shadow VT600, após a aquisição planejei cuidadosamente as alterações que faria, hoje estou plenamente satisfeito, a moto tem uma excelente mecânica, baixo custo de manutenção e o conforto do meu sofá da sala...

Motocicleta estradeira com cores, que valorizam o seu visual de linhas clássicas e marcantes. Sucesso entre os motociclistas que valorizam liberdade com estilo e conforto, a Honda VT 600C Shadow chega às concessionárias da marca em todo o Brasil, na versão 2004, trazendo a tradicional cor preta, que contrasta com o grande número de peças cromadas do motor e partes polidas, transmitindo sofisticação e modernidade. Produzida na fábrica da Moto Honda da Amazônia em Manaus (AM), a VT 600C Shadow tem no marcante e autêntico estilo custom seu principal diferencial, aliando desempenho, maneabilidade e estabilidade

Com tanque capaz de armazenar 11 litros de combustível, o modelo é equipado com motor OHC (Over Head Camshaft), de quatro tempos, arrefecido a líquido e dois cilindros em "V", de funcionamento suave e grande durabilidade.

Tem força suficiente para a realização de ultrapassagens seguras, desenvolve potência máxima de 39 cv a 6.500 rpm, além de torque máximo de 4,9 kgf a apenas 3.500 rpm.

 

A motocicleta possui câmbio de cinco marchas, que associado ao elevado torque do motor, não exige trocas constantes

A segurança do usuário é garantida por um dispositivo elétrico, que corta o funcionamento do motor caso a marcha seja engatada com o cavalete lateral acionado.

O assento em dois níveis para piloto e garupa, aliado ao guidão alto montado em coxins de borracha e aos pedais de apoio do piloto bem avançados, proporcionam comodidade e prazer na pilotagem. Além disso, a VT 600C Shadow apresenta excelente estabilidade direcional, garantida pela suspensão dianteira de garfos telescópicos com acentuado ângulo de cáster.

A suspensão traseira é monoamortecida e tem sete posições de regulagem na tensão na mola. Porém visualmente passa a imagem de suspensão hard-tail - característica marcante dos tradicionais modelos custom. 

Já o sistema de freios, composto de disco com cáliper de duplo pistão na dianteira e a tambor na traseira, garante frenagens seguras e eficientes, em conjunto com o freio motor.

É possível dar um toque pessoal à motocicleta, tornando seu visual ainda mais atraente, com os acessórios da Honda Access, comercializados pela rede de concessionárias, ou em empresas especializadas no mercado alternativo, tais como suporte do encosto traseiro, encosto traseiro para o garupa, placa decorativa do encosto, pára-brisa, suporte do pára-brisa, emblema dourado, protetor de radiador, pára-lama cromado e capa do filtro de ar.

Dados técnicos Honda Shadow VT 600

Motor: Refrigerado por água, 4 tempos, SOHC 45° bicilindrico em V
Diâmetro x curso: 75 x 66 mm
Cilindrada: 583 cm 3
Taxa de compressão: 9,2 : 1
Carburador: Tipo CV de 34 mm x 1
Potência máxima: 39 Cv/6.500 r.p.m. (DIN) (29 kW/6.500 min)
Torque máximo: 4,99 kg-m/3.500 r.p.m. (DIN) (48,9 Nm/3.500 min)
Ignição: Eletrônica
Arranque: Elétrico
Caixa de Marchas: 5 velocidades
Transmissão final: por corrente
Dimensões (C x L x A): 2.355 x 840 x 1.120 mm
Distância entre eixos: 1.600 mm
Altura do assento: 690 mm
Altura minima ao solo: 140 mm
Capacidade do depósito: 11 litros (incluindo 1,4 litros de reserva)
Pneu dianteiro: 100/90–19
Pneu traseiro: 170/80–15
Suspensão Frente: Telescópica 39 mm
Curso do Eixo (Diant.): 120 mm
Suspensão traseira: Monoamortecedor (oculto)
Curso do Eixo (Traz.): 90 mm
Freios Dianteiros: 296 mm, pinça dupla
Freios Trazeiros: tambor 160 mm
Peso a seco: 199 kg

 

 

Performance:

Velocidade Máxima: 151 km/h
Aceleração: 0-100 km/h: 6,4 s
Autonomia: 195 km (reserva incluso)
Consumo cidade: 18 km/l
Consumo estrada: 20 km/l

 Peças de Reposição Shadow VT 600

Pneu dianteiro: CB400/450, de preferência pelo Mandrake da Pirelli;
Cabo do velocímetro: 750 Indy (7galo), já existe paralelo da Shadow;
Pastilhas: CBX 450, existem paralelas específicas para Shadow;
Relação: VAZ Nacional, já rodei com a minha 25.000 Km;
Flexível do freio: Tenere (ORIGINAL);
O coxim que prende a estrutura traseira ao chassi, que geralmente quebra:
do radiador do Passat nacional, original 36,00, do Passat 1,20;
Vela de ignição: a mesma da Titan 150 "NGK DPR8EA-9" ;
Embreagem: CB 400/450 já rodei 12000 km e esta perfeita;
Rolamento da roda dianteira: código universal 6004, compre da Nach;
Filtro de gasolina: FRAM 8mm (+ braçadeiras) ou Kobra Ref: 101184;
Bateria: XT 600 (pólos invertidos);
Bomba elétrica: se der problema tire-a, deixe sem, roda bem sem, faça o teste;
Filtro de óleo: Palio Fire/Fram (PH6017); CB 500, CBR 900, CBX 750/YA; FZR 600,1000/ KA:VULCAN 500,750,1;
Agulha de carburador: DT 180;
Relê de seta: Twister;
Filtro de ar: O filtro de ar do Fiat Tipo, encaixa perfeitamente; outra opção é trocar pelo utilizado nas motos de trilha;
Freio dianteiro: é o mesmo da CB 500.



Uma Viagem em Companhia da Shadow


Acompanhe este passeio em mais de 1.300 km de estrada entre São Paulo (SP) e Rio das Ostras (RJ) e confira o estilo custom. A estátua do Cristo Redentor parecia flutuar sobre o Corcovado no início da madrugada de sábado. Os braços abertos iluminados podiam ser vistos da Ponte Rio-Niterói. Sobre ela, passavam a Honda VT 600C Shadow com sua batida característica do motor em “V” a caminho de Rio das Ostras (RJ), na bela Região dos Lagos, litoral fluminense. O estilo custom, oferecido pelo maior fabricante instalado no Brasil cumpria a primeira etapa de uma viagem-teste.

Sucesso entre os motociclistas que valorizam liberdade com estilo e conforto, a Honda VT 600C Shadow é uma moto moderna que permite uma grande variedade de personalização no melhor estilo chopper.
 

A Honda VT 600C Shadow foi nacionalizada em setembro de 97, é comercializada pelo valor de R$ 16.174,00 (Preço em 05/2002). Partindo de São Paulo (SP), a Shadow 600 enfrentou mais de 1.300 Km, ida e volta, até Rio das Ostras. Para acondicionar a bagagem foram escolhidos alforjes de couro que deixam o piloto "à vontade", sem o incômodo de carregar uma mochila nas costas. Para instalar essas bolsas laterais, na Shadow 600 é necessário soltar dois parafusos tipo Allen, escondidos sob o banco.


Fim de tarde de sexta-feira. Moto abastecida e bagagem arrumada. Como fazem milhares de motociclistas pelo Brasil afora, o destino era um encontro de motos. Seriam mais de 600 km pela frente, rodados em sua maioria durante a noite, quase sem trânsito.
 


 

Podendo contar com motor quatro tempos

de dois cilindros em "V",

a Shadow 600 tem exatos 583 cc, três válvulas por cilindro (inclinação em ângulo de 52º) e são alimentados por dois carburadores Keihin de 34 mm. Há ainda duas velas de ignição por cilindro, para melhor queima da mistura ar/combustível.

 

Embora tenha a potência máxima declarada menor que a de outras motos, o motor da Shadow é bastante elástico, com maior capacidade de aceleração nas retomadas de velocidade.

 

Os cilindros da Shadow 600 tem aletas para dissipação do calor,o radiador encaixado de forma discreta em frente ao motor denuncia a refrigeração líquida, segundo os puristas do estilo custom, uma "heresia"...

 


Seguindo pela rodovia Carvalho Pinto, em direção a Taubaté (SP), a moto manteve a velocidade de 110 kmh (a máxima permitida naquela rodovia) sem problemas, acompanhadas por um belo pôr do sol e, depois, pela luz da lua. Na Shadow 600, o piloto se posiciona de forma bem relaxada, com uma posição gratificante de pilotagem, pois as pedaleiras estão "lá na frente". Além disso, o guidão largo obriga o piloto a deixar os braços abertos. A Shadow, a partir do ano 2000, ganhou cromados no motor e na tampa do filtro de ar, antes eram de alumínio escovado. O banco largo e macio, acomoda o piloto como se estivesse sentado no sofá da sala, permitindo longas jornadas sem cansaço.
 


Para não ter problemas em longas viagens adote a estratégia de abastecer cada 150 km para manter uma margem de segurança, o que possibilita procurar postos com gasolina mais confiável. A Shadow, com tanque de 11 litros (2 litros de reserva) pode chegar a até 198 km, considerando-se a média de 18 km/l em uma tocada mais agressiva.
 



História da Honda

 

Abaixo a cronologia histórica da Honda no mercado internacional, sua ascensão até os dias atuais, seu lançamentos, fotos de alguns de seus maiores sucessos e por fim o lançamento da Shadow VT600 e uma resenha adaptada da Revista Duas Rodas. A foto ao lado retrata a Cb 450 do ano de 1966.


1947 - Soichiro Honda lança seu primeiro produto: a bicicleta motorizada modelo A, com motor de dois tempos de 50cc;
1949 - O mercado já dispõe de três versões - modelo A e C de 50cc e o triciclo modelo B de 89cc. Em agosto do mesmo ano, lança sua primeira motocicleta, o modelo D, batizado de Dream, com motor de dois tempos;


1954 - depois de assistir a uma etapa do TT, na ilha de Man, Grã-Bretanha, Soichiro resolve desenvolver modelos de competição;
1959 - Aberta nos EUA a American Honda Motor Co. Nas pistas, a Honda estréia no TT da ilha de Man e chega em sexto na categoria 125cc. Lança o modelo C92 Benly, com motor dois cilindros, quatro tempos, 125cc e partida elétrica;
1960 - inicia a produção de motos em Suzuka. Lançada a primeira moto da linha CB (Citzen Band - faixa do cidadão), a CB72, com motor dois cilindros, quatro tempos e 250cc, que faz muito sucesso na Europa e EUA;
1961 - criada a Honda Europa, atualmente Honda Alemanha, em Hamburgo. Nos EUA, a Super Cub chega a 60 mil unidades vendidas. Surgem as vitórias no TT da ilha de Man, nas 125cc e 250cc;
1962 - é completada a construção do circuito de Suzuka;
1964 - criada a Honda França (Paris) e a Ásia Honda Motor Co, na Tailândia;
1965 - criada a Honda Reino Unido (Londres). Lançada a CB1971, com motor 4 tempos, dois cilindros, 450cc, duplo comando e 43cv. Lançada a S65, sucessora da C110, que introduziu a linha S. Lançada também a CM90 que era uma Cub com 90cc;
1966 - Honda fatura o campeonato Mundial de Construtores em todas as categorias (50cc, 125cc, 350cc e 500cc). A Honda EUA comemora 268.000 unidades vendidas. São lançadas a CB125 e a CB450 DOHC, esta última que reinaria soberana nas pistas de todo o mundo até o lançamento da CB750 em 1969.
1968 - A Honda surpreende o mundo com o lançamento da CB750 Four durante o salão de Tóquio. Com motor 4 cilindros em linha, 4 tempos, enorme potência (para época) de 67cv e capaz de atingir 200km/h. Trazia também freio a disco dianteiro, partida elétrica e câmbio de 5 marchas. Juntamente com a 750cc foi lançado a não menos revolucionária CB250 com 30hp a 10.500 rpm e 145km/h de velocidade final, uma performance que muita moto de 500cc inglesa na época não conseguia. Completavam a linha a CB350 e a CL350 de Trail;
1971 - É lançada a CB50 que importada para o Brasil faz grande sucesso entre as motos pequenas com seu câmbio de 5 marchas, alto giro, design avançado e peso reduzido;
1972 - lançada a primeira fora-de-estrada, a XL 250, com suspensão traseira bichoque, as primeiras off-road da marca a serem importadas para o Brasil. Em 1974 saiu o modelo 350cc. Surge a CB350F, ampliando a linha 'Four' e é lançada a CB125 K5 que arrasou as monocilíndricas no mercado com o barulho de seu escape e velocidade final maior;
1974 - Foi um ano de lançamentos imemoráveis: a CB360 substituindo com maior potência a CB350, a CB400 Twin que foi a antecessora da CB400 fabricada no Brasil, com pequenas modificações cosméticas (capa dos relógios, banco, tanque e escapamentos), a CB200 que substituiu a CB125 fabricada até 1972 e a CB400 four Super Sport com 6 marchas. Esta última incorporava o estilo café racer em uma moto de produção em massa que, com seu escape 4 x 1, era uma mudança radical na época em relação aos ouitros modelos no mercado. Nos EUA surge a mística GL1000 Gold Wing, com motor 'boxer' 4 cilindros - o modelo é produzido até hoje na versão GL1800 de seis cilindros, também é lançada uma nova versão da CB500 Four mais potente, a CB550 Four e a CB500 Twin de estilo clássico com dois cilindros;
 

1975 - Lançada a CB400 four Super Sport com 6 marchas em três cores: azul, amarelo e vermelho. Esta conquistou admiradores em todo o mundo, pela beleza e ronco do motor 4 cilindros. Ficou em linha de produção até 1977. Foto CB400F 1975. 

1976 - Modelo K1 com a adição de um pino para lubrificação no cardan; modelo LTD - edição limitada ao mercado dos EUA com rodas douradas e cores especiais; modelo Executive, edição limitada ao mercado da Inglaterra com carenagem Rickman, bolsas laterais Lester, rodas de liga leve e pintura preta; inaugurada no Brasil a Moto Honda da Amazônia, com fábrica na Zona Franca de Manaus, com início da fabricação da CG125 cujo modelo inicial permaneceu basicamente inalterado até 1979 em 1980, mudou o grafismo do tanque e as cores;

 


1977 - Modelo K2 com assento modificado (duas alturas) e novo rolamento na caixa de direção;
1978 - Modelo K3 nos EUA e KZ na Inglaterra com carburadores Keihin menores de 31mm, válvulas e tempo de ignição revisados. Potência diminuída para 78hp porém com maior torque em baixas rotações. Tensionador na corrente primária, molas do garfo dianteiro mais longas e amortecedores marca FVQ. Rodas Comstar, banco duas alturas, escape cromado e novo painel de instrumentos encima do tanque falso com voltímetro, nível de gasolina e marcador de temperatura. Sempre aumentando o índice de nacionalização, no Brasil, a Honda lança a versão mais luxuosa da CG, a ML125, com freio a disco na dianteira. Lançada no exterior a CX500 (motor segue o estilo das Guzzi);
 

1979 - Modelo K4 com pequenas modificações cosméticas no modelo K3; no Brasil, a Turuna surge como uma versão esportiva da CG125, dotada de comando de válvulas acionado por corrente. No exterior é lançada a incrível CBX1000, seis cilindros em linha, duplo comando, 24 válvulas, refrigeração ar/óleo e 105cv. Começa a fabricação de motos nos EUA;

 

1980 - a Honda CB400N japonesa é a primeira moto 'grande' a ser fabricada no Brasil, com alterações estéticas e mecânicas, sob o nome CB400. No exterior a novidade é o scooter Tact DX, com motor 2 tempos, 50cc, partida elétrica e ignição eletrônica. CB400 1980.


Este modelo é muito procurado, no Brasil e no exterior, para a transformação de Bobber´s , Choppers e Café Racer´s, além de uma legião de fãs que a deixam impecavelmente original.

Texto extraído:

http://circuitvendas.no.comunidades.net